share

Entenda qual é a nova proposta de cessar-fogo em Gaza revelada por Biden


O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, apresentou nesta sexta-feira (31) uma proposta israelense de três fases para um cessar-fogo em Gaza. O plano propõe troca para libertação de reféns israelenses.

O democrata revelou a nova oferta de Israel dizendo “é hora desta guerra terminar” e obteve uma evidência inicial positiva do Hamas.

Plano de 3 fases

A primeira fase do plano envolve um cessar-fogo de seis semanas, quando as forças israelenses se retirariam de “todas as áreas povoadas” de Gaza, alguns reféns – incluindo idosos e mulheres – seriam libertados em troca de centenas de prisioneiros palestinos. Os civis palestinos retornariam e 600 caminhões para levar ajuda humanitária à região devastada.

Na segunda fase, de duração indeterminada, o Hamas e Israel negociaram os termos de um fim permanente das hostilidades, com o cessar-fogo a que pode estender-se enquanto as negociações continuam.

A terceira fase incluiria um grande plano de defesa para Gaza.

Hamas reagiu positivamente ao plano

O Hamas divulgou um comunicado reagindo de forma positiva à proposta de Biden.

O grupo disse que estava pronto para se envolver “positivamente e de maneira construtiva” com qualquer proposta baseada em um cessar-fogo permanente, na retirada das forças israelenses, na retirada de Gaza, no retorno dos deslocados, e um acordo “genuíno” de troca de prisioneiros se Israel “anunciar claramente o compromisso com tal acordo”.

O gabinete do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou ter autorizado sua equipe de negociação a apresentar o acordo, “ao mesmo tempo que insiste que a guerra não terminará até que todos os seus objetivos sejam alcançados, incluindo o regresso de todos os nossas reféns e a destruição das forças militares e autoridades governamentais do Hamas”

Ofensiva de Israel em Gaza

Separadamente, os militares israelenses disseram que suas forças encerraram as operações na área de Jabalia, no norte de Gaza, após dias de intensos combates, enquanto investigavam mais profundamente Rafano sul de Gaza, para atingir o que dizem ser a última grande redução do Hamas.

O conflito começou em 7 de outubro, quando homens armados liderados pelo grupo islâmico invadiram o sul de Israel em motocicletas, parapentes e veículos com tração nas quatro rodas, matando 1.200 pessoas e sequestrando mais de 250, de acordo com registros israelenses.

Israel então invadiu a Faixa de Gaza, no que Netanyahu chamou de um esforço para destruir o Hamas, o grupo que tomou o controle da área da organização Fatah em uma luta violenta em 2007.

As conversas mediadas pelo Egito, Catar e outros para chegar a um cessar-fogo entre Israel e o Hamas foram repetidamente estagnadas, com cada lado culpando ou outro pela falta de progresso.

Uma guerra indefinida

No seu discurso, Biden apelou à liderança israelense para resistir à pressão daqueles em Israel que pedem para que a guerra continuesse “indefinidamente”.

“Há aqueles em Israel que não concordam com este plano. E pedirão que a guerra continue indefinidamente. Alguns até na coligação governamental estão”, disse.

“Eles querem ocupar Gaza. Querem continuar a lutar durante anos e os reféns não são uma prioridade para eles. Bem, pedi a liderança em Israel para apoiar este acordo, apesar de qualquer pressão que possa”, acrescentou.

O presidente americano também pediu aos israelenses que não perdessem a oportunidade de um cessar-fogo.

“Como o único presidente americano que alguma vez foi a Israel em tempos de guerra, como alguém que acabou de enviar as forças dos EUA para defender diretamente Israel quando foi atacado pelo Irã, peço-lhe que dê um passo atrás, pense no que irá acontecer se este momento for perdido. Não podemos perder este momento.”, disse.

A guerra de Gaza colocou Biden em uma situação política difícil.

Por um lado, o democrata é um firme defensor de Israel e gostaria de garantir o financiamento e o apoio da comunidade pró-Israel nos Estados Unidos nas eleições de 5 de novembro contra o ex-presidente republicano Donald Trump.

Por outro lado, os progressistas do Partido Democrata de Biden estão cada vez mais descontentes com o presidente pelo sofrimento que o conflito afetou aos civis em Gaza.

As autoridades de saúde palestinas estimam que mais de 36.280 pessoas foram mortas em Gaza desde o ataque de Israel, e as Nações Unidas afirmam que mais de um milhão de pessoas enfrentam níveis “catastróficos” de fome em partes da região.

Em um sinal de apoio a Israel, apesar da divisão partidária nos Estados Unidos, dos líderes do Senado dos EUA, dos líderes dos democratas, e da Câmara dos Representantes, liderada pelos republicanos, convidaram nesta sexta-feira (31) Netanyahu para discursar em uma reunião conjunta do Congresso.

Vários meios de comunicação israelenses descreveram o discurso de Biden na sexta-feira (31) como uma tentativa de apelar diretamente ao público israelense.

A semana foi dominada pelas consequências do ataque aéreo de Israel em Rafah, no domingo (26), que matou 45 palestinos.

“O povo palestino suportou um inferno nesta guerra”, disse Biden nesta sexta-feira (31).

“Todos vimos as imagens externas do incêndio mortal em Rafah no início desta semana”, acrescentou o presidente americano.



Fonte: CNN Brasil

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *